Open site navigation

Kelly Key and Family

Kelly Key and Family

Lary: e sua mensagem sobre empoderamento cantada para o mundo!



Fotografo: Hugo Barbieri - @hugobarbieri

Stylist: Ana.ca's - @anacas.styling

Produção: Tiago Melo - @tiagodeam




Por: Evely Oliveira


Lary é uma mulher inspiradora, cresceu cantando Karaokê com sua mãe, e foi onde seu amor pela musica deu início.

Em 2016, sua carreira profissional estava apenas começando, e hoje já acumula mais de 190 mil ouvintes em Playlists como: POP BRASIL, R&B BRASIL, RAP ACÚSTICO, BRISA, RALA E ROLA entre outras...


Além do talento musical, e "surra de beleza" ela é formada em Engenharia da Produção, e trás a mensagem de que as vezes precisamos mudar de lugar, ou configuração para que possamos encontrar a felicidade, pois a vida é construída de pequenos momentos, aqui e agora!


Em 2021 Lary lançou seu primeiro álbum, com singles que foram sucesso como: TREM BALA, MINA BANDIDA e CRAZY.







E também já lançou projetos importantes como o ‘Acústico Brainstorm‘ que foi produzido por MALAK de Poesia Acústica, com participação de: Pelé Milflows, Kiaz, Camila Zasoul e Oik.




Tivemos a oportunidade de fazer algumas perguntas para essa Girl Power, vem conosco se inspirar!!






1-Qual foi sua maior inspiração no mundo musical? E quando percebeu que você deveria seguir por esse caminho profissionalmente? Meu amor pela música começou em casa, cantando no karaokê com minha mãe. Ela sempre me estimulou muito musicalmente e, apesar de não ter seguido o caminho da música, é artista plástica, então minha vida sempre esteve rodeada de arte e ela foi minha primeira referência. Nós saíamos pra barzinhos que tinham karaokê e eu, bem pequena, pedia pra cantar. Eu sempre surpreendia as pessoas pois cantava aquilo que via minha mãe cantando, então no meu repertório só tinha MPB (Marisa, Elis, Djavan, Caetano…). Levei por muito tempo a música como um hobby até que, no meio da faculdade, fui convidada por amigos para participar de um show e foi ali, no palco, que uma chave virou, e percebi que queria de fato viver de música, trabalhar com a minha arte!

2-Sabemos que você é formada em Engenharia de Produção, e que hoje não atua no ramo, o que é cada vez mais comum nos dias de hoje, muitas pessoas acabam escolhendo um curso, mas ao concluir percebem que não era de fato aquilo que gostariam de estar fazendo. Que conselho você daria para pessoas que estão insatisfeitas profissionalmente, mas por pressão da sociedade ou algum outro motivo se sentem desencorajados a mudar? A gente vive numa sociedade que nos obriga a escolher muito cedo o caminho profissional que queremos seguir. Não acho que com 16, 17 ou 18 anos estamos preparados pra fazer esse tipo de escolha, é uma responsabilidade muito grande e só a vivência nos permite ter certeza daquilo que realmente queremos. Conheço muitas pessoas que mudaram completamente de área depois dos 25, e tá tudo bem! Quando temos a oportunidade e o privilégio de tentar seguir por caminho que nos faz mais felizes, temos que mergulhar nisso! É difícil sim sair de uma zona de conforto, trocar o “certo” pelo “duvidoso”. Mas é tão melhor olhar pra trás e ter a certeza de que pelo menos tentamos, sabe? O conselho que dou é sempre tentar buscar a felicidade, da maneira que for possível. E ela não é o destino final! Ela está nos pequenos momentos do percurso e temos que saber aproveitar ao máximo todo esse caminho. 3- Em que momento seus olhos brilharam e você soube que estava no caminho certo?

Sempre percebo que estou no caminho certo quando leio mensagens de pessoas me contando que minha música impactou, de alguma forma, a vida delas. Tenho meus momentos difíceis, dias ruins, como todo mundo. Mas ler, por exemplo, que uma mulher conseguiu tomar forças pra sair de um relacionamento abusivo por causa de uma música minha, não tem preço. É o momento onde paro e penso: é essa a minha missão, é esse o meu propósito! 4-Que sensação te passa ao ver hoje seus singles estourando nas playlists do mundo, afinal hoje você acumula mais de 190 mil ouvintes mensais?

É uma sensação de muita felicidade e gratidão. São 190 mil corações batendo na mesma frequência, ouvindo o que tenho pra dizer, curtindo minha arte. É até difícil mensurar! Imagina só! 190 mil pessoas não caberiam num dia de Rock In Rio! (Risos)!

5-E por último mais não menos importante, qual é a sua voz? O que você gostaria de gritar para o mundo se tivesse oportunidade? A minha voz é a voz de todas as mulheres desse mundo. Quero gritar pro mundo que somos capazes de tudo! Somos fortes, lindas e livres. Estamos cada vez mais unidas e enquanto uma for silenciada ou estiver sofrendo, todas estaremos. Quero poder levar essa energia pra cada vez mais pessoas, e que cada vez mais mulheres se sintam empoderadas ao me ouvirem!





Não deixe de seguir a @Lary no Instagram!



Bye, Bye!

ALL RIGHTS RESERVED

© 2022 by HOOKS MAGAZINE INTERNATIONAL LTDA.  Revista Hooks