Open site navigation

Kelly Key and Family

Kelly Key and Family

Verônica Oliveira: a baiana que ficou milionária nos EUA vendendo tapioca!



Créditos:

Foto: Natalia Almeida

Design: Matheus Ganchu



Todos sabemos que a tapioca é de fato um fenômeno por onde passa, ela tomou conta do país ao se tornar um dos itens prediletos dos adeptos da alimentação saudável – rica em carboidratos de fácil digestão, não contém glúten, o vilão da moda nas dietas. Se ela virou febre no Brasil, por que não pode repetir o feito em outros países, como já fizeram, por exemplo, o açaí e água de coco?


Nos EUA não poderia ser diferente! A iguaria vem conquistado seu espaço e ganhado o coração dos americanos.



Verônica Oliveira iniciou sua empresa com apenas US$30 dólares, custo dos ingredientes das primeiras tapiocas recheadas, que ela fez para vender aos amigos e conhecidos. Era para ser apenas duas semanas, mas ela nunca mais parou e se tornou um negócio sólido até os dias de hoje, com faturamento anual de US$1,5 milhão de dólares.


A baiana que chegou nos Estados Unidos em 2009, com o sonho de prosperar, trabalhou durante 4 anos limpando casas, escritórios e bancos, para se manter no país. Porém, o que ela gostava mesmo era de cozinhar, então, surgiu a ideia de fazer tapioca recheada para amigos e clientes, após as faxinas, para aumentar a renda da família. Em 2015, Verônica comprou um restaurante, o BR Takeout, com foco na comida mineira e nordestina, na cidade de Framingham- Massachusetts. Verônica aprendeu a fazer a iguaria com sua mãe e sua avó no sertão da Bahia e anos depois apostou na goma por ser um alimento versátil, que combina com diversos recheios. Hoje ela é proprietária de uma fábrica de tapioca vegana, sem glúten, sem açúcar, sem conservantes e sem sódio, comercializada em vários pontos de vendas em Massachusetts e com entrega para todo os Estados Unidos. Oliveira emprega 16 funcionários diretos e 50 funcionários indiretos. Além de dirigir duas empresas, ela também dá mentoria para mulheres que desejam empreender e começar do zero, assim como ela.

“Não é o quanto você sabe e sim o quanto você aplica e não existe sorte, a sorte é trabalhar, não desistir, errar, falhar no meio do caminho, até acertar”, revelou a baiana milionária.


1-Nordestina, conquistou a independência financeira nos EUA, e não somente isso, ficou milionária! Conta para nós como tudo começou?


Tudo começou quando perdi meu emprego no Brasil. Por causa de politicagem fui demitida e fiquei muito frustrada, então decidi sair do Brasil e ir para um lugar onde eu pudesse ser reconhecida pelo meu trabalho, esforço e não pelo candidato que eu escolhesse para votar. Foi quando decidi ir para os Estados Unidos, orei e pedi para Deus me tirar dali e me levar para um outro país. Comecei a pesquisar e conversei com uma mulher que já tinha morado aqui e disse que os Estados Unidos era o melhor lugar para morar fora do Brasil e foi quando tudo começou.

2-O que te motivou a buscar uma vida fora do Brasil?


Por questões de “perseguição” fui demitida do emprego, me sentia cada vez mais presa e incapaz de desenvolver minhas habilidades, foi quando encontrei uma amiga que já tinha morado em vários países e analisando todos os lugares pelo qual ela já tinha passado, achei que a melhor opção seria os EUA, inclusive nesta questão de liberdade e proteção da mulher.

3-Algum dia você imaginava que tudo isso poderia acontecer em sua vida?

Eu imaginava que teria liberdade para viver, porém não que chegaria a este nível de sucesso.


4-Como gosto de frisar, quando enfrentamos qualquer mudança em nossas vidas onde saímos da nossa “zona de conforto” surgem diversos empecilhos que as vezes podem até nos fazer pensar em desistir. Qual foi a maior dificuldade que você enfrentou ao se ver em outro país?

A maior dificuldade que enfrentei foi o idioma, me sentia como analfabeta pois não conseguia me expressar no que queria e somente com o tempo e o convívio que consegui melhorar e me adaptar, porém mesmo com isso me sentia livre para fazer aquilo que queria. E senti que aqui era o pais que eu tinha que morar, pois com liberdade você pode conquistar aquilo que você quiser e aprender a superar todos os problemas que aparecerem.

5-E por que tapioca? Qual sua relação com a iguaria?

A tapioca tem relação com a minha infância e até hoje faz parte da minha vida. Aprendi fazer com minha mãe e minha avó. É uma comida típica do nordeste, que além de deliciosa é saudável e muito versátil.

6-Como você se sente hoje ao olhar para trás, e perceber todo caminho percorrido até aqui?

Que tudo que enfrentei valeu a pena.

7-E por último mas não menos importante: qual é a sua voz? O que você gostaria de gritar para o mundo se tivesse oportunidade?


Se eu pudesse gritar para o mundo uma coisa: Todas as coisas nascem primeiro na nossa mente e não existe isso de eu não posso, eu não consigo, eu não tenho oportunidades. Todos nós fazemos acontecer as nossas próprias oportunidades, então se Deus te deu um sonho, é por que Ele já realizou esse sonho através do seu trabalho e do seu esforço.




ALL RIGHTS RESERVED

© 2022 by HOOKS MAGAZINE INTERNATIONAL LTDA.  Revista Hooks