A voz de La Trisha


O mês do Orgulho está chegando ao fim, e nada melhor do que uma entrevista com um artista membro da comunidade LBTQIA+ para fechar com chave de ouro.

Foto: Vitor de Freiras

A La Trisha é um projeto criado por Thiago Costa Moreira. Nascido em Porto Alegre, o DJ gaúcho de 31 anos demonstra maturidade, bom humor e irreverência na forma com que se comunica e também no seu trabalho. E são com essas qualidades, misturadas com muito talento, que Thiago usa sua arte para celebrar a comunidade que está inserido, e também quebrar as barreiras impostas pela sociedade.

Conheça na entrevista abaixo La Trisha, que ganhou vida em 2019 e está conquistando cada vez mais seu espaço na cena musical.

1 – Como você começou o seu trabalho como DJ? Você sempre tocou música eletrônica?

Sempre curti música eletrônica, mesmo quando conhecia muito pouco dos estilos e do meio, mas com 17 anos, quando saí do armário, comecei a frequentar festas eletrônicas do cenário LGBTQIA+ e surgiu a oportunidade de fazer um curso com um DJ conhecido na cena. Com a ajuda e incentivo do meu namorado da época, fiz o curso que me ensinou o básico para um DJ de música eletrônica. Depois disso acabei conhecendo algumas personalidades da noite porto alegrense como Madblush a quem tive o prazer de ajudar na produção de algumas festas. Quando a faculdade me apertou o tempo e entrei para duas cias de dança, meu know-how acabou sendo usado muito mais para edição das trilhas sonoras dos espetáculos que eu dançava. Depois que me formei e parei de dançar, estava pensando em voltar às pick-ups com um projeto de EDM, mas eu não sabia o porquê de não conseguir tirar o projeto do papel. Toquei algumas vezes e cheguei a gravar um set, mas ainda não sentia que estava bom. Aí eu comecei a conhecer a cena eletrônica LGBTQIA+ de outras cidades do país e ter mais contato e gostar mais de tribal house. Brilhou pra mim a ideia da La Trisha e percebi que precisava me atualizar e me renovar nos conhecimentos da profissão DJ. Fiz uma pesquisa e decidi fazer um curso com metodologia bem construída na AIMEC e levar a La Trisha para as pick-ups de tribal house num conceito totalmente diferente.

2 – Como surgiu o projeto La Trisha?

Voltando de uma viagem maravilhosa de ano novo de Balneário Camboriú com passagem por Florianópolis e tendo conhecido o trabalho de DJs incríveis por lá, estava dirigindo enquanto meus amigos dormiam, comecei a pensar no projeto de EDM que estava tentando tirar do papel. De repente me veio a ideia de fazer um projeto paralelo de tribal house que poderia dar certo. Co