O amor está no ar! Vem conhecer esse casal apaixonado e a mensagem que eles gostariam de passar!



Por: Evely Oliveira



Foto por Anderson Macedo

E bem como já dizia a canção de Lulu Santos: Consideramos justa, toda forma de amor! Hoje com muita honra nesse dia e momento tão significativos em que estamos vivendo, muitos casais LGBT, Transgêneros, não-binários, agêneros, pangêneros, genderqueers, two-spirits, e dentre outros estão ganhando espaço em campanhas publicitárias e meios de canais de comunicação, o que particularmente aprecio muito, afinal o que mais importa nessa vida é a forma como a vivemos e o amor que compartilhamos com o mundo.




Tivemos a oportunidade de entrevistar esses casal apaixonado!





1- Onde vocês se conheceram? E como aconteceu o primeiro beijo?

Paulo Vaz: O Pedro estava precisando de um homem trans para produção de um vídeo, e meu contato foi uma indicação, na época um ensaio fotográfico que eu havia feito em Belo Horizonte sobre corpo de homem trans (transição com hormônios) viralizou, dessa maneira fui indicado para o vídeo. Então ele me mandou mensagem e topei na hora.

Nos encontramos em uma Starbucks e conversamos rápido. Quanto ao primeiro beijo, estávamos na casa de um amigo em comum, e o Pedro gostaria de gravar outro vídeo, então acabou entrando ao vivo no Instagram, onde um dos participantes da live falou para gente se beijar, e acabamos nos beijando, foi assim!

Pedro HMC: Nós nos conhecemos justamente como o Paulo estava dizendo pois precisava gravar um vídeo para o meu programa Põe na Roda e o quadro que se chama homens trans respondem, o primeiro vídeo desse tema exclusivamente, e para diferenciar a orientação de identidade de gênero foram chamados: um homem trans gay, um homem trans bi, e um homem trans hétero o Paulo curiosamente era o homem trans gay e eu achei ele muito lindo desde o momento em que o vi.

E aí não teve muito jeito, rolou química e começamos a nos encontrar, acabamos ficando e estamos juntos até hoje, que já são quase dois anos de casados no papel.



2- Vocês são um casal de grande representatividade na comunidade LGBT, não apenas como casal, mas também pelo excelente trabalho apresentado em seus meios midiáticos. Como é tamanha responsabilidade? Paulo Vaz: (Uai) a gente simplesmente vive (risos), tentamos falar diariamente sobre nossa convivência nas redes sociais, até mesmo para que muita gente possa perceber que somos um casal gay, por eu ser trans ainda existe muito preconceito, as pessoas estão muito atreladas ao órgão genital, inclusive o Pedro já foi questionado sobre sua orientação sexual, então estamos sempre em buscar desconstruir esses paradigmas. E eu também como homem trans, existem muitos como eu que gostariam de se permitir ficar com outros homens e não achar que talvez seriam menos homens por conta disso, e para essas pessoas eu tento dizer: sejam quem vocês quiserem ser, não se prendam à essas amarras da cisnormatividade, precisamos tornar o mundo melhor para os jovens que vivem essa mesma realidade.

Pedro HMC: Eu sei que existe uma responsabilidade, mas eu tento não ficar pensando dessa maneira, pois se não me travaria, ficaria muito preocupado pois de fato muitas pessoas nos seguem, se inspiram, tiram suas dúvidas.

Eu tento ser o mais responsável possível no que posto, e das informações que passo e obviamente se houver algum erro no caminho o que é natural, somos seres humanos e passíveis de erro, peço desculpas, aprendo e seguimos em frente, acho que é dessa maneira.



3- Sobre o livro “Um livro para ser entendido” escrito por Pedro HMC, que não serve apenas para o público gay, mas também para quem possui uma mentalidade mais aberta e gosta de adquirir conhecimento sobre o assunto. Como surgiu a ideia de escrevê-lo? A ideia de escrever um livro partiu da editora Planeta, na época entre 2016/2017 os influencers estavam escrevendo livros, então abracei a ideia pois achei incrível, tive carta branca para escrever o que quisesse, e então pensei em escrever um livro que eu gostaria de ter lido na adolescência e não tinha informações sobre sexualidade, identidade de gênero.


Também percebi que as perguntas que eu recebia no canal eram todas meio parecidas, então pensei por que não? E foi muito legal os feedbacks que recebo até hoje, inclusive sobre a quebra de preconceitos, me sinto realizado. 4- Essa pergunta é para Paulo Vaz, quais conselhos você daria para aqueles jovens que estão iniciando sua jornada trans? Não deixar que as outras pessoas ditem quem você é, as pessoas impõe muitas coisas e não é assim que deve ser, temos que nos dar conta que precisamos viver, a vida é dinâmica e só se vive uma vez até onde sabemos. Se estiver com vontade de fazer: faça! Se tiver dúvida, busque opiniões, se permita, viva.


E quando presenciar alguma situação de preconceito, bata o pé, imponha-se, eu sei que às vezes muitas pessoas nascem em famílias muito conservadoras, mas com dialogo e persistência é possível quebrar essas barreiras.


Não existe receita de "bolo" não procure ter uma definição, por que elas mudam de tempos em tempos, se concentre em sem você e acima de tudo seja feliz.


5- E por último, mas não menos importante, o que vocês gostariam de gritar para o mundo nesse dia especial dos namorados? Paulo Vaz: Gente, se amem! Se amem muito, principalmente pela situação em que vivemos de pandemia, e ainda mais aqui no Brasil. Viva intensamente, se permitam, dialoguem e se tiverem interesse se informem, estamos em um momento onde outros tipos de relação estão surgindo, relacionamento aberto, então se tiver vontade se joga, viva e seja feliz. E claro com responsabilidade e depois da pandemia. Pedro HMC: Um recado para as pessoas para esse dia dos namorados, é muito simples AMEM, não tenha vergonha da sua maneira de amar, não se sinta errado e não ache que você é menos que qualquer outro casal heterossexual por que a sociedade te impôs isso. Estamos em um momento onde essas barreiras estão sendo quebradas, tanto que esse dia dos namorados é um dos primeiros em que as mídias estão dando espaço para essa representatividade LGBT, o que é maravilhoso pois precisamos normalizar o amor, e é esse meu conselho para esse dia, amem e amem muito para normalizarem todo tipo e forma de

amor.




E é com essa linda mensagem que me despeço, a e não se esqueça AME!




Bye, Bye.

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
KatGrahamSite.png